segunda-feira, 30 de junho de 2008

6º SENTIDO

Não é uma questão de desconfiança, é antes de feeling, digamos que é aquele 6º sentido que tão bem caracteriza as mulheres, ou então será antes macaquinhos na cabeça, daqueles sem razão aparente de ser, e que os imaginamos porque simplesmente nos dizemos firmes de "pedra e cal" e no fundo não passamos de inseguras e imaginativas.... n sei o que é.... só sei que de há uns dias pra cá o tenho sentido...
Estou numa fase calma da minha vida, aquela fase que depois da uma tempestade apenas fica um sol lindo, sem stresses, sem pressões, sem nada que me tire do sério, tenho tempo para tratar das mais banais tarefas da casa, de sair e beber os meus cafézinhos, pôr o cinema em dia, ver as séries e filmes que me apetecer até à hora que bem entendo (no outro dia para acordar é que a porca torçe o rabo, mas nada de especial), no campo afectivo estou também muito bem, temos disfrutado ao máximo do tempo extra que temos, muito juntinhos, muito amigos, muito enamorados, muito confidentes... acima de tudo dois namorados muito apaixonados...Mas no fundo no fundo sinto qualquer coisa entre nós, como que uma pedra no sapato, algo que apesar de pequeno e insigificante nos vai atormentando e xateando... não sei bem explicar, e aliás não sei muito bem porque estou a escrever em relação a isso... porque no fundo pode não passar de NADA, de um NADA que eu estou consciente ou inconscientemente a tranformar em ALGO... não sei...
Quando estamos juntos, sinto que estamos verdadeiramente juntos, mas quando nos separamos porque assim nos obriga o nosso dia-a-dia profissional e as rotinas da nossa vida, sinto uma distância entre nós, sinto um vazio... coisa parva de gaja, bem sei... mas mesmo assim sinto-o....
Ontem quando à noite, na janela do meu quarto fumava o meu último cigarro, dei-me conta disto, ou melhor, já o tinha feito, mas só ontem verdadeiramente me apercebi que afinal isto me estava a xatear e que afinal poderia não ser só impressão, pode ser algo mais... por via das dúvidas vou estar atenta, tentar ler os "tais" sinais que possam existir... mas que isso não interfira de forma alguma numa fase que estou simplesmente a amar...
Ou então, à tanto tempo que não estava tão bem, que agora que me sinto assim, invento "cenas" quase como desculpa para que no fundo não esteja tudo assim tão bem... tudo assim tão perfeito...

1 comentário:

Boo disse...

Eu acho que o mais normal e estares a entrar em panico e a olhar por cima do ombro porque secalhar a vida nao te tem dado muitos momentos de planitude, mas deves relaxar e o que vier vem, nao vale a pena te preocupares com o que nao aconteceu, certo? ;)